A Receita dos jornais

Por Amanda Impelliziere, Camilla Rebello, Danielle Lobato, Fernanda Clarkson, Isabella Carvalho

Manutenção dos Jornais

O jornal foi, desde o início, uma ponte entre a notícia e o público interessado em conhecê-la. Desde a invenção da imprensa por Johann Gutenberg ,em 1447, e do telégrafo ,em 1844, os jornais difundiram por todo o mundo relatando as grandes revoluções dos séculos XV ao XIX, e se consolidaram como o principal meio de comunicação.

Entretanto, surgiram novas mídias como o radio, a televisão e a atual internet. Mas mesmo com o crescimento de novos veículos de comunicação, o fim dos jornais de papel, apesar dos constantes boatos, não deve ocorrer. É importante que as editorias compreendam a necessidade de oferecer ao leitor tradicional do jornal impresso, motivos para que ele enxergue a mídia alternativa como uma ferramenta extra e não substituinte. Assim, agregando modernizações, os jornais poderão se manter como meio poderoso de transmissão de informação às massas no relato e análise dos acontecimentos diários.

Com as turbulências enfrentadas pelos jornais, os modelos antigos foram sendo alterados e novidades foram sendo implantadas para fazerem frente às novas mídias. Contudo, é nítido, no modelo atual, que os periódicos foram invadidos sucessivamente por anúncios e propagandas. Anúncios pagos, bonificados, editais, comunicados, anúncios-resposta, fúnebres, permutas e o próprio marketing têm ocupado cada vez mais espaço nas folhas dos jornais, enquanto os textos jornalísticos ficam cada vez menores.

A questão não se limita a esse fato, mas também à qualidade dos textos. É comum que algumas notícias e artigos sejam reduzidos para que os anúncios e propagandas caibam inteiros na folha. Como a publicidade confere aos jornais milhares de reais por porcentagem de espaço ocupado, é produzida uma certa pressão que, freqüentemente, obriga o jornal a aceitar a mudança que for, pois grandes quantias de dinheiro estão em jogo.

Além disso, com os acontecimentos que surgem ao longo do dia, cada página corre o risco de sofrer alterações na diagramação. Muitas vezes, várias alterações. O texto também pode ser alterado por esse motivo, correndo o risco de perder detalhes relevantes ou mesmo pormenores interessantes para o leitor.

Tomando o jornal O Globo como referência, vamos fazer uma análise média de como os jornais se financiam. Este é um jornal com grande circulação na cidade do Rio de Janeiro. Tem alta tiragem e volume de anúncios elevadíssimo. Segundo dados da área comercial do jornal, a venda de espaços para anúncios segue as regras do Manual de Detalhamento de Classificados. O Manual explica passo a passo todos os quesitos necessários (chamados por eles de Regras e Procedimentos) para que um anúncio seja veiculado nas páginas do jornal. Além disso, é o Manual que define as retrancas – divisões do jornal para classificar os tipos de anúncios. Exemplos: “seção de jóias e relógios”, “plantas e jardim” etc.

O jornal é do tipo stander (primeiro caderno), trabalhado com a proposta de coluna x altura (6cm X 52cm). Em um total de 312cm quadrados de folha, cada centímetro custa, nos dias de semana, 885 reais. Dessa forma, é possível mensurar e tabelar os preços dos anúncios e propagandas. Se colocarmos um anúncio de página inteira, por exemplo, gastaremos um total de R$ 276.120,00.Nos finais de semana, o centímetro passa a custar R$ 1.462,00. Sendo assim, o anúncio custaria R$ 456.144,00. Já com essas básicas contas, pode-se ter uma idéia do motivo pelo qual os jornais foram tomados pelos anunciantes.

Obviamente, O Globo não é financiado somente pelos anúncios. O complemento da renda é derivado das assinaturas mensais do jornal (que custam em media R$ 66,00) e das tiragens das bancas. Segundo o jornal, a tiragem das bancas durante a semana – cada exemplar a dois reais- é de aproximadamente 291.000 exemplares, o que equivale a R$ 585.000,00. A tiragem pode chegar a 405.000 exemplares aos domingos – R$ 1.417.500,00, com o jornal a R$3,50.A parcela de capital que vem dos anunciantes é muito superior à que vem das vendas das bancas, mas não contribui sozinha para a manutenção do jornal.

Observe:

Jornal O Globo

Forma de financiamento: Anúncios

Dia de Semana: R$ 885,00 por centímetro; Cada pagina inteira (312 cm)= R$ 276.120,00

Finais de Semana: R$ 1.462,00 por centímetro; Cada pagina inteira= R$ 456.144,00

Forma de financiamento: Bancas

Dia de Semana: R$ 2,00 cada; 291.000 exemplares vendidos = R$ 585.000

Finais de Semana: R$ 3,50 aos domingos; 405.000 exemplares vendidos = R$ 1.417.500,00

Forma de financiamento: Assinaturas R$ 66,00 (nas promoções R$ 54,90)

Perfil dos leitores

Os jornais são dirigidos a quem deseja se informar. Entretanto, ao ser formulado, ele é pensado para determinada(s) classe(s) e/ou grupo(s). Sua linguagem, assunto, preço e anúncios serão voltados para eles. isso cativa leitores e cria uma identidade para o jornal. Segundo o site http://www.infoglobo.com.br, só na Zona Sul – região com maior número de leitores do jornal – cerca de 523.000 pessoas leram o jornal no quarto trimestre de 2007. Se compararmos com o EXTRA – mesma rede do O Globo – a circulação do jornal é predominante na Zona Oeste (594.000) e Baixada Fluminense (584.000), o que mostra claramente a proposta e o direcionamento do jornal EXTRA.

Outro dado importante mostrado no site é o perfil dos leitores – sexo, idade, escolaridade e classe social – bem definidos.

EXTRA x O GLOBO:

Sexo Feminino – 52% _____________ Sexo Feminino – 57%

Idade entre 20 e 29 anos – 23%___Idade Superior aos 50 anos – 29%

Primeiro Grau – 44%_____________ Nível Superior – 53%

Classe C – 40% _________________ Classe B – 45%

Esses dados, além de mostrarem uma nova tendência – as mulheres muito mais interessadas nas notícias – contribuem para a escolha de novos cadernos e matérias que interessem a essa fatia do público-alvo. Isso gera incentivo, atração; confirma as compras e o aumento dos lucros.

Tipo de anúncios

Como cada jornal tem a sua identidade e seu público alvo, percebemos que é preciso que os anúncios sigam a risca esse perfil, para que nem o jornal fique destoando e nem os anunciantes gastem quantias elevadas que não lhe darão o retorno esperado. Após uma análise entre os jornais, fica evidente quais são os anunciantes e a motivação dos anúncios, nesse ou naquele caderno. Isso porque, todos os jornais, independente do tamanho e dos leitores, são subdivididos em cadernos, para facilitar e direcionar a leitura e o foco do interesse.

Normalmente, são encontrados: o caderno geral (primeiro caderno), o de economia, política, mundial, esportes, informática, habitação, carros, classificados e segundo caderno (atrações, festa, eventos). Essa é uma tentativa de agradar todos os tipos e gostos. Dentro de cada caderno são encontrados os anúncios específicos da área. Por exemplo, no caderno de carros são anunciados carros a venda, concessionárias, seguros, feirão etc.

Jornais voltados para classes mais elevadas, como O Globo e Folha de São Paulo, têm uma concentração de anúncios de viagens, carros (Mitsubishi; Peugeot; Honda), jóias (Vivara; H Stern), eventos e bancos (HSBC). Já os direcionados para as classes C, D e E, como O Dia, Extra e Meia-Hora, têm anúncios de supermercados e promoções (Guanabara), lojas de eletrodomésticos (Casas Bahia; Casa e Video), telefonias celular e muitos planos de saúde. Para anunciar nesses veículos o preço é bem mais acessível do os direcionados ao publico A e B. No jornal O Dia, por exemplo, o valor de um stander de uma página é em torno de R$ 4.000,00 e no jornal Meia Hora a metade do preço. Os valores variam também de acordo com o tipo de anúncio.

Segundo a Associação Nacional de Jornais (http://www.anj.org.br), em pesquisas feitas nos jornais diários do Brasil, foi possível revelar o nível de investimentos dos maiores setores de anunciantes no ano de 2007:

Setor econômico _______ Investimento – R$____ Investimento – US$

Comércio Varejo___________5.362.226 __________2.811.643

Mercado Imobiliário_______ 2.628.094 _________1.403.255

Serviços ao Consumidor ______ 1.410.607 ________ 742.240

Cultura, Lazer, Esporte e Turismo ___1.117.190________585.772

Veículos, Peças e Acessórios _____ 984.088 _________ 518.869

Mídia_______________________836.436 _____________ 437.106

Mercado Financeiro e Seguros_____625.716 _________ 328.386

Serviços Públicos e Sociais________419.603__________221.880

Telecomunicações_______________415.617__________ 221.862

Internet________________________ 219.407___________ 115.074

TOTAL DE INVESTIMENTOS_______14.018985__________7.386.086

Anúncios

3 Respostas para “A Receita dos jornais

  1. Bastante informação, mas mal organizado. A nota é oito.

  2. Adorei! Muito bom não fazia muito idéia da fábula de dinheiro faturado por um jornal.

    Vou recomendar

  3. essa materia ajudou muito em meu trabalho
    😉

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s